NAYA - Noticias de Antropologia y Arqueologia EQUIPONAYA.COM.AR
Noticias de Antropología y Arqueología


Desde 1996 el Portal de Antropologia en español
 

Lista de novedades


TEMATICAS
Educación
Salud
Práctica Científica
Geopolítica / Economía
Estado y violencia
Cultura / identidad / patrimonio
Indice de Autores

SIMPOSIOS
Arqueología histórica
Tecnología y Arqueología
ARCHIVO
Congreso 1998
Congreso 2000
Congreso 2002

 

NUEVO BIBLIOTECA EVENTOS UNIVERSIDAD MAPA Equipo NAyA CONTACTENOS
  INICIO > CONGRESO VIRTUAL 2004 > PONENCIAS Compartir en: recomendar

“A população negra da cidade do Rio de Janeiro retratada nas fotografias carte de visite de Christiano Júnior”.

Marcelo Eduardo Leite - UNICAMP (Brasil)
http://genos.cnpq.br:12010/dwlattes/owa/prc_imp_cv_int?f_cod=K4773554Y2

Em 1832 nasce na Ilha das Flores, arquipélago de Açores, Portugal, José Christiano de Freitas Henriques Júnior que imigra ao Brasil em 1855, acompanhado de sua esposa e de dois filhos. Iniciando na atividade fotográfica por volta de 1860 em Maceió, Alagoas, onde mantém estúdio até 1862. Transfere-se logo depois para o Rio de Janeiro e em 1863, vem atua profissionalmente na oficina Photographia do Comércio, à rua São Pedro 69, na qual é sócio de Fernando Antonio de Miranda. Em 1865, esta na rua da Quitanda 53, desta feita, sozinho. No seu trabalho realizado no Rio de Janeiro o que nos chama mais a atenção são os retratos da população cativa da cidade. Realizado no suporte carte de visite 1, asimagens foram produzidas em dois padrões: retratos de “corpo inteiro” e “bustos”. Em algumas das imagens encontramos anotações que acompanham as fotografias que identificam a nação africana da qual o negro registrado é originário. Isso, a meu ver, demonstra por parte dele uma grande preocupação em evidenciar a diversidade dessa população.
   
      

Dentre este material, os retratos de “corpo inteiro”, são quais vemos os negros executando os mais diferentes ofícios, típicos dos escravos de ganho: vendedores de frutas, barbeiros, amoladores de facas, entre outros. E os de “busto”, aqueles nos quais vemos detalhes do rosto de escravo retratado.  Estas imagens são vendidas no comércio local e servem como uma espécie de souvenir dos trópicos, sobretudo, útil ao imaginário eurocêntrico que acompanha os viajantes que por aqui passam. Em 1866 o Almanaque Laemmert anuncia a venda de uma “Variada colleção de (...) typos de pretos, cousa muito própria para quem se retira para a Europa” 2, Tal trabalho indica que Christiano tem uma forte curiosidade “antropológica”.  

   
  Ao registrar escravos “de ganho”, ele os coloca no cerne da modernidade, socializando a imagem das próprias contradições do país. Quando estas fotografias são produzidas, a população de negros escravos que trabalham nas ruas da cidade do Rio de Janeiro é de 55.000 pessoas, 1/3 da população total da capital 3. Com relação às estas imagens é pertinente frisar que os fotógrafos no final do século XIX vivem uma grande concorrência estando sempre à procura de novos produtos fotográficos para o mercado.
Nesse sentido, as fotos dos negros escravos são possuidoras da preocupação de se montar a cena da mesma forma que se faz com as fotografias tiradas dos homens livres. A diferença, esta no fato de que nas imagens retratando escravos, “[...] os signos que distinguiriam sua classe social (...)” são outros. Além disso, completa a autora, nessas fotografias podemos encontrar indícios da  participação “[...] dos escravos na construção daquele que poderia ser o seu retrato, através de sua indumentária típica (muitos se apresentavam com suas próprias roupas; um acordo com o fotógrafo, com certeza), seus instrumentos de trabalho, suas expressões, seus olhares, suas poses, seus penteados e suas cicatrizes étnicas” 4.
  
     
De qualquer forma, essas imagens também se constituem numa mostra de uma modalidade fotográfica muito comum em todo o mundo e de uma atividade profissional regular e que congrega, além da visão comercial e técnica do fotógrafo, a própria cultura do seu meio: os “tipos populares”. Assim, ao analisarmos o teor dessas imagens é sensato que reconheçamos que o fotógrafo, como um profissional à procura de sua permanência no mercado atento à sua própria cotidianidade, registre estes personagens tão comuns ao dia-a-dia da sociedade brasileira, com um simples intuito comercial. Podemos dizer ainda que Christiano tem um bom conhecimento a respeito dos trabalhos dos desenhistas e pintores do início do século, já que suas fotografias dialogam de perto com os trabalhos dos artistas instalados no Brasil nas primeiras décadas do século XIX, em particular, com os de Jean-Baptiste Debret (1768-1848) e Johann Moritz Rugendas (1802-1858).
   
   Jean-Baptiste Debret Christiano Jr

     
 Johann Moritz Rugendas

Esse trabalho é um exemplo evidente de que o pesquisador, no intuito de refletir sobre o material fotográfico, tem que considerar as mais diversas variantes do processo de produção e divulgação das imagens fotográficas.
Estas imagens de Christiano produzidas no Brasil 1866, configuram-se  num dos documentos imagéticos mais importantes da sociedade brasileira e foram feitos quando Christiano é proprietário da Galeria Fotográfica e de Pintura onde realiza inúmeros tipos de trabalho e no mesmo ano, se associa a Bernardo José Pacheco onde o estabelecimento ganha o nome de Christiano Jr. & Pacheco. Ganhando inclusive a medalha de bronze na Exposição Nacional, realizada no Rio de Janeiro, cidade na qual permanece até 1867 quando parte em direção a Argentina, onde ele também foi fundamental para a memória social do país.

Para ver as imagens e saber mais a respeito do assunto:

Revista Studium do Departamento de Multimeios do Instituto de Artes da UNICAMP:

http://www.studium.iar.unicamp.br/10/6.html

http://www.studium.iar.unicamp.br/nove/6.html

Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural:

http://www.itaucultural.org.br/AplicExternas/Enciclopedia/artesvisuais2003/index.cfm?fuseaction=Detalhe&CD_Verbete=85

Referências bibliográficas

 

AZEVEDO, Paulo César de e LISSOVSKY, Maurício. Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr. (1864-1866) [et ali.]. São Paulo: Ex. Libris, 1988.

FERREZ, Gilberto. A fotografia no Brasil. Rio de Janeiro : Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1953.

FREUND, Gisèle. Fotografia e sociedade. Lisboa : Editora Dom Quixote, 1986.

GORANDER, Jacob. A Escravidão Reabilitada. São Paulo: Ática, 1991.

KOSSOY, Boris. Origem e expansão da fotografia no Brasil - século XIX. Rio de Janeiro: MEC/Funarte, 1980.

KOSSOY, Boris; CARNEIRO, Maria Luisa Tucci. O olhar europeu: o negro na iconografia brasileira. São Paulo: EDUSP, 1994.

KOUTSOUKOS, Sandra Sofia Machado. No estúdio do fotógrafo: Um estudo da (auto) representação de negros livres e escravos no Brasil da segunda metade do século XIX. Studium nº 9, Campinas, Instituto de Artes da Unicamp, 2002 (link acima).

LEITE, Marcelo Eduardo. Os Múltiplos olhares de Christiano Junior, Studium nº 10, Departamento de Multimeios da UNICAMP, 2002 (link acima).

NOTAS

1 As cartes de visite foram desenvolvidas por André Disdéri (1819-1889) na França no ano de 1854. Consistem em cartões fotográficos (9,5 X 4,5 centímetros) feitos em série pelo sistema de lentes múltiplas. Boris KOSSOY. Origens e Expansão da Fotografia no Brasil - século XIX. Rio de Janeiro: MEC/FUNART, 1980, p. 38.

2 Jacob GORENDER. In: “A Face Escrava da Corte Brasileira”. In: Paulo César de AZEVEDO e Maurício LISSOVSKY. Escravos brasileiros do século XIX na fotografia de Christiano Jr. (1864-1866) [et ali.]. São Paulo: Ex. Libris, 1988, p. 31.

 

3 Jacob GORANDER. A Escravidão Reabilitada. São Paulo: Ática, 1991, p. 93.

4 Sandra Sofia Machado KOUTSOUKOS. No estúdio do fotógrafo: Um estudo da (auto) representação de negros livres e escravos no Brasil da segunda metade do século XIX. Campinas: STUDIUM/IA/UNICAMP, 2002, p. 2.

 

 

antropologia y arqueologia

PIE DE PAGINA
Noticias de Antropologia y Arqueologia es un emprendimiento del Equipo NAyA.
Ultima modificación de esta página 9/6/15

© Equipo NAyA / 1996-2015